Rota 2030 tem 72 empresas habilitadas

22/07/2021

Chegou a 72 o número de empresas habilitadas ao Rota 2030, política industrial que rege o setor automotivo desde 2018. Ingressaram ao programa neste ano a MAN Latin America (razão social da Volkswagen Caminhões e Ônibus – VWCO), FMM Pernambuco Componentes Automotivos e a Tesca Têxtil e Componentes para Assentos. Até dezembro eram 69 companhias habilitadas pelo Ministério da Economia.

A FMM é uma joint-venture formada por Marelli e Faurecia que mantém operações dentro do complexo industrial da Stellatins em Goiana (PE), onde são produzidos os modelos Fiat Toro e os Jeep Compass e Renegade. Ali abastece as linhas da montadora com painéis plásticos, para-choques, aerofólios e consoles já integrados com sistemas eletrônicos, como o quadro de instrumentos e central multimídia.

A Tesca Têxtil produz revestimentos para bancos automotivos e materiais para interiores de veículos. Segundo site da companhia, cuja matriz é sediada na França, a empresa mantém duas unidades produtivas no País, uma em São José dos Campos (SP) e outra em Curitiba (PR).

Já a VWCO é integrante do Grupo Traton, do qual fazem parte também a MAN e Scania. Mantém produção no consórcio modular de Resende (RJ), onde são fabricados caminhões Volkswagen junto com os extrapesados MAN TGX, além de chassis Volksbus. O consórcio modular, inclusive, completou 25 anos de atividade local em 2021.

Até o primeiro semestre os projetos ligados ao programa industrial haviam captado R$ 138 milhões para custear a pesquisa e o desenvolvimento de novas tecnologias ligadas aos biocombustíveis, à segurança veicular e à propulsão alternativa. São ao todo 32 projetos aprovados pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep).

A fundação também é gestora dos recursos ligados a outro escopo do Rota 2030, o das ferramentarias. Por ora, seis chamadas públicas foram realizadas e foram captados R$ 92 milhões.

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) também é uma entidade gestora de projetos ligados ao Rota 2030. Há expectativa de captação de R$ 200 milhões até 2023 para custear projetos de empresas inscritas na política industrial.

No ano passado integraram a lista de empresas habilitadas Maxiforja, Eaton, Honda, Sogefi, Denso, NTN, Harman, BMW, Librelato, Magius, Isringhausen e TMD Friction.

Fonte: Automotive Business