Finep 2030 Empresarial alcança metas estabelecidas para cinco anos

31/05/2021

Lançado há 10 meses, o Finep 2030 Empresarial está prestes a bater algumas metas estabelecidas para o Programa no decorrer de cinco anos, o que comprova, mesmo em tempos de pandemia, o sucesso desta ação conjunta da Finep – Inovação e Pesquisa – com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Ministério da Economia (ME).

No lançamento do Programa, em julho de 2020, foram disponibilizados R$ 90 milhões, em recursos não reembolsáveis, para o desenvolvimento de projetos inovadores da cadeia do setor automotivo, por empresas de qualquer porte. A previsão inicial do Programa era chegar, em 2025, com um total de 60 projetos submetidos, no valor de R$ 120 milhões, com aprovação final de 30 projetos, no montante de R$ 90 milhões.

Pois em apenas 10 meses de operação, de julho de 2020 a maio de 2021, já foram protocolados pela Finep/MCTI 125 projetos de inovação, encaminhados por 76 empresas, que somam R$ 313,6 milhões. Desses, 25 já foram aprovados, e somam investimentos da ordem de R$ 56,8 milhões. Há, ainda, em análise jurídica, um conjunto de 7 projetos, que totalizam R$ 18,3 milhões, com recomendação técnica e financeira e, portanto, com enormes chances de serem contemplados em breve. Essa demanda inicial de 125 projetos representa uma contrapartida financeira das empresas de R$ 143,1 milhões, totalizando R$ 456,7 milhões em investimentos.

Nesta ação, são apoiados projetos que contemplem o desenvolvimento de produtos, processos e serviços inovadores para a cadeia automotiva considerados estratégicos no âmbito Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística – do Governo Federal.

Segundo o superintendente da Área de Inovação 2 da Finep/MCTI, Maurício Syrio, a Financiadora, que atua como coordenadora credenciada pelo Ministério da Economia (ME) para operar recursos do programa Rota 2030, trouxe elementos inovadores no Finep 2030 Empresarial, como agilidade na análise, transparência e redução na burocracia.

Os recursos não reembolsáveis do programa, de forma inédita, são ofertados às empresas na modalidade fluxo contínuo, isto é, não dependem de editais. Durante o processo de avaliação, caso uma empresa não tenha o seu projeto aprovado, poderá enviar nova proposta, utilizando, para isso, os motivos que levaram ao indeferimento pela Finep/MCTI. “Até o momento, 24 projetos foram reenviados”, afirma Syrio.

De acordo com o executivo, “todo o processo, desde a submissão do projeto até o acompanhamento da sua execução, é digital, sendo de 84 dias o tempo médio entre a entrada do projeto e a sua aprovação pela diretoria”.

Os projetos apoiados, em sua maioria, envolvem a parceria com ICTs e outras empresas, o que contribui para elevar o nível tecnológico e de competitividade das empresas brasileiras participantes. São propostas de busca de soluções, com aplicação das tecnologias habilitadoras da indústria 4.0, e em temas de vanguarda, como o uso dos materiais avançados na manufatura e a motorização híbrida/elétrica, incluindo máquinas agrícolas e rodoviárias autopropulsadas. Essas inovações também irão promover o aumentar do nível de segurança dos veículos fabricados no país.

Fonte: Finep